Comprar imóvel em caso de desvalorização do preço

Dias atrás, o Banco Central divulgou uma desaceleração da valorização média dos imóveis residenciais, que de 2008 a 2013 chegou a 155%. Os preços subiram 20% ano a ano, até 2011. Entretanto, fazendo uma comparação entre o mês de janeiro de 2012 e o de 2013, a valorização foi de 10%, o que mostra a desaceleração da valorização. A Melhortaxa esclarece algumas dúvidas sobre o impacto desse movimento na compra de um imóvel. Aproveite e veja o que considerar na compra do seu imóvel diante da desaceleração!

Desaceleração da valorização do imóvel
Primeiro, é preciso entender essa desaceleração. Quer dizer que o mercado está avaliando o imóvel por um valor menor do que no passado. A desaceleração da valorização de um imóvel está relacionada com alguns fatores:

a. A perspectiva em relação ao bairro onde está localizado o imóvel é ruim;

b. A economia desacelera;

c. Há mais oferta de imóveis à venda do que a procura;

d. As condições do imóvel não são boas por falta de manutenção.

Desaceleração para quem quer comprar um imóvel
A redução de preços é muito bem-vinda para quem quer comprar um imóvel. Mesmo assim, é importante fazer e saber responder a duas perguntas:

a. Por que quero comprar o imóvel?

b. O que está causando a redução do preço dos imóveis?

Para quem está comprando o imóvel com a finalidade de morar, é importante avaliar se a queda do preço está atrelada a algum fator negativo, como, por exemplo, o aumento das taxas de criminalidade no bairro ou a construção de vias de grande fluxo nas proximidades. Esse comprador não precisa se preocupar muito com o movimento da  oferta e procura ou com questões macroeconômicas.

Já quem está adquirindo o imóvel com uma perspectiva de investimento, precisa considerar todos os fatores, pois o retorno do negócio depende de uma futura valorização dos preços.

Desaceleração muda taxa de juros do financiamento
Nesse caso, a relação de causa e efeito varia. Um aumento da taxa de juros pode gerar uma maior dificuldade para obter o financiamento imobiliário, diminuindo a demanda por imóveis e, consequentemente, gerando a desvalorização. Se o governo ou as próprias instituições financeiras sentirem que a desvalorização de imóveis é decorrente de uma escassez de crédito, pode ocorrer um movimento para reduzir as taxas de juros e estimular a busca de crédito para fazer o financiamento imobiliário.

Financiar ou refinanciar diante da desaceleração
Com a desaceleração, o preço do imóvel cai e favorece quem vai fazer um financiamento, pois o montante a ser pago será menor.

Já para o refinanciamento, um empréstimo que exige como garantia o imóvel do comprador, pode ser ruim. Nesse caso, o montante emprestado está diretamente relacionado ao valor do imóvel; uma redução implica que o contratante vai receber menos dinheiro com o empréstimo. Outro fator relacionado ao refinanciamento, é que, em um cenário de desvalorização imobiliária prolongada, as instituições financeiras podem perder o interesse em oferecer essa modalidade de crédito, devido ao risco de o imóvel dado como garantia continuar perdendo valor.

 

Veja Também