6 dúvidas sobre como financiar um apartamento

Conheça algumas dicas sobre como financiar um apartamento de modo com que o valor das parcelas caibam no seu bolso!

O financiamento imobiliário é uma das formas mais acessíveis para os consumidores realizarem o sonho da casa própria. No entanto, dar entrada e parcelar a compra de um apartamento ou qualquer outro bem da categoria envolve altos valores, burocracias e outros pormenores que, eventualmente, podem trazer dúvidas.

Situações envolvendo análise de crédito e o cálculo dos juros são apenas alguns dos questionamentos mais comuns feitos por quem deseja adquirir um novo imóvel. Deseja saber como financiar uma propriedade? Então, confira neste post a resposta de algumas das dúvidas mais frequentes relacionadas a esse processo.

?

1- Qualquer pessoa pode contratar um financiamento imobiliário?

Comprar uma casa própria é o objetivo de muitos brasileiros que desejam se livrar de vez do aluguel. Nesse caso, uma das formas mais acessíveis de concretizar essa meta é por meio do financiamento de imóveis — uma modalidade de empréstimo com juros baixos e longo prazo de pagamento.

Na teoria, todos podem adquirir esse tipo de crédito — no entanto, há requisitos a serem preenchidos. Em financiamentos direto com a construtora, por exemplo, geralmente é preciso apresentar apenas a documentação solicitada pelo incorporador responsável pela implantação do imóvel.

Já nas situações envolvendo financiamento junto a um banco, tais papéis também são necessários, mas é preciso, obrigatoriamente, não ter nenhum empréstimo em vigor no seu nome. Se adequando a todas essas exigências, qualquer pessoa pode dar entrada no pedido de solicitação do crédito imobiliário.

2- Como é feita a análise de crédito dos bancos?

Como os financiamentos envolvem uma grande quantia de crédito, as instituições financeiras costumam ser bem exigentes durante a análise financeira do seu cliente. Assim, elas conseguem obter mais certeza de que não estão emprestando dinheiro a uma pessoa sem recursos para arcar com a dívida.

O valor da renda, por exemplo, é essencial para as empresas definirem o montante máximo que poderá ser emprestado a determinada pessoa. Além disso, a idade e o histórico de quitação do solicitante também é analisado com o intuito de saber se ele é ou não um bom pagador.

Ao final da pesquisa, algumas instituições financeiras e bancárias estabelecem uma espécie de “pontuação” com o objetivo de classificar o risco de inadimplência referente a tal pessoa.

3- Como é composta uma parcela de financiamento?

Assinar um contrato de financiamento envolve um grande compromisso por parte do consumidor, pois, a partir daí, ele deverá quitar, mensalmente, as parcelas do empréstimo. Na maioria das situações, o prazo para pagar totalmente o crédito concedido gira em torno de dez anos ou mais.

Vale lembrar que todas as prestações não são formadas apenas pelo montante total emprestado pelo credor. Geralmente, sua composição é feita por amortização, juros mensais, alguns seguros — de morte e invalidez permanente, por exemplo — e taxas administrativas.

4- Como as instituições financeiras determinam os juros?

Os juros correspondem ao preço cobrado pelos credores durante o empréstimo de determinada quantia a uma pessoa. Se a quitação do financiamento fosse feita apenas com o pagamento da amortização, as instituições financeiras teriam prejuízo por conta da inflação — conforme o tempo for passando, o dinheiro emprestado vai perdendo valor.

Contornar essa situação é uma das tarefas principais dos juros. No entanto, sua cobrança possui como principal objetivo gerar lucratividade à instituição financeira responsável por conceder o crédito. A partir de uma análise da concorrência, da taxa Selic e do IPCA é estipulado um valor mínimo para a taxa de juros.

5- Imóvel antigo ou na planta: qual escolher?

Ao escolher um imóvel, existem duas opções: adquirir um bem novo ou um seminovo, sendo que, em ambos os casos, há pontos positivos a serem analisados pelo consumidor.

Imóveis são bens que sempre estão se valorizando, e, nesse sentido, comprar um diretamente na planta é mais vantajoso, pois ele ainda não começou a ser construído. Muitas vezes, a propriedade é adquirida nesse estágio para o proprietário revendê-la quando pronta e obter grande lucratividade.

Imóveis antigos, porém, propiciam uma mudança mais rápida pois, após a compra, muitas vezes por ser feito um acordo com o antigo proprietário para definir até quando você receberár as chaves.

6- Com qual instituição financeira devo financiar um apartamento?

Sabendo como financiar um apartamento, é provável que uma das principais dúvidas dos consumidores seja qual instituição possui o melhor crédito. Por ser uma operação financeira de altos valores, pesquisar pela condição mais favorável de pagamento com os credores será mais pertinente.

Nesse caso, o melhor a se fazer é deixar essa tarefa com a Melhortaxa! A partir de um formulário presente em nosso site, traçamos o seu perfil para ir atrás da taxa de juros mais vantajosa para você. Cadastre-se já!

Veja Também