Cortinas: tudo o que você precisa saber

Ainda que as cortinas sejam decisivas na decoração de ambientes, seu papel vai muito além da estética. Elas suavizam a entrada dos raios solares, resguardam a privacidade dos moradores, protegem os móveis do excesso de poeira e podem até ocultar uma vista desagradável.

Quem mora em prédio sabe: o privilégio de ter o sol batendo no apartamento tem seu preço. Hoje em dia, a incidência de luz é um dos fatores que determinam o valor que cada unidade do condomínio terá. No entanto, a fuga de problemas como o mofo e a umidade pode acarretar no incômodo com a intensa exposição à claridade.  Sem falar que o sol forte aumenta o consumo de energia com o ar condicionado e pode deteriorar o carpete de madeira e a pintura das paredes.

Basta uma olhada nos edifícios residenciais para comprovar que todas as janelas que dão para as sacadas estão revestidas com cortinas. Mas como será que a escolha por aquele modelo foi feita? Para auxiliar na busca por informações sobre cortinas, levantamos todos os pontos para que você não tenha mais dúvidas sobre o assunto.

Qual o melhor tecido de cortina?
São muitas as opções disponíveis no mercado. Tecidos leves ou pesados, estampados ou lisos, naturais ou sintéticos, enfim, existe um grande leque de possibilidades. Por isso, é importante que você pense no ambiente em que a cortina será colocada e qual a função que você espera que ela tenha. Abaixo, alguns exemplos de tecido e suas características:

Tecidos leves: voil, seda, algodão
Tecidos encorpados: shantung, tergal e linho 
Tecidos rendados: richelieu, cambraia
Tecido pesados: sarja, veludo, blackout 

Como calculo a medida ideal para a compra de uma cortina?
A medida da cortina deve ser suficiente para cobrir o entorno da janela. O ideal é que o tecido cubra pelo menos 15cm para além das laterais, na parte superior e inferior da esquadria. Se houver a possibilidade de utilizar uma cortina que vá até o chão, melhor ainda, já que essa opção alonga o pé direito do ambiente. Mas é importante que a medida da parede seja tirada com precisão, já o contato constante do tecido com o chão facilita o acúmulo de poeira. 


Falando em poeira, é comum que muitas pessoas deixem de comprar cortinas quando um dos integrantes da família possui algum tipo de alergia a ácaros, como a rinite. Então, qual a melhor opção para a casa de um alérgico? Nesse caso, o mais indicado é que a casa tenha persianas verticais, já que as horizontais acumulam poeira mais rapidamente. Em ambientes como cozinha e lavanderia, é possível usar cortinas curtas e leves, já que estas são mais fáceis de lavar e não acumulam tanto pó.


Qual a melhor cor de cortina para cada ambiente da casa?
Não há regra para a utilização desta ou daquela cor de tecido em determinados cômodos. No entanto, vale ter em mente que tons fortes diminuem o ambiente, enquanto os claros ampliam. 


Qual o melhor suporte para cortina?
Além da diversidade de tecidos, tonalidades e modelos de cortina, há também uma variedade de suportes. Conheça quais são e como funciona cada um:

Varão: Fácil de instalar e manusear, o varão é o suporte de cortina mais popular do país. Sua praticidade também torna a lavagem do tecido algo simples. Outro diferencial do varão é a vasta lista de acessórios, como alças, argolas, ilhoses e lacinhos, que podem ser utilizados para pendurar a cortina.
Trilho: Embora permita que a cortina corra facilmente, a estética do trilho suíço não agrada a grande parte dos proprietários desse modelo. Por isso, é comum que esteja escondido atrás de cortineiros de gesso ou madeira. Um grande ponto negativo é a dificuldade na manutenção da cortina, especialmente no que se refere à limpeza.
Rolô: Para aqueles que buscam maior praticidade, as cortinas rolô cumprem bem essa função. Um dos principais benefícios é o fim do problema com frestas e vãos que permitem a incidência de luz no ambiente. Outro diferencial é que o acionamento da cortina pode ser manual ou motorizado, acionado por controle remoto ou interruptor. 
Cortina em sanca: Nem todos gostam de ver o suporte da cortina exposto. Por isso, muitos optam por escondê-lo. A saída para a preocupação estética é a adoção da cortina embutida. Para instalar a cortina, basta encaixá-la em um trilho americano, na parte interna da sanca. Há quem recorra à iluminação da sanca para destacar ainda mais o tecido. Esse artifício dá a impressão de que o cômodo é maior.
Cortina romana: Muito versátil, a cortina romana pode dar um ar tradicional ou contemporâneo ao ambiente. Isso se deve à possibilidade de escolher o tecido que quiser. Com isso sua função pode ser meramente decorativa (produzida com fibras naturais como o linho e o algodão) ou funcional (permitindo a visibilidade da área externa, mas também protegendo o ambiente). Vale dizer àqueles que estão em dúvida entre a cortina romana e a rolô, que a romana ocupa mais espaço quando recolhida. 


Como lavar cortinas de tecido e limpar modelos especiais?
Cortinas comuns: podem ser lavadas na máquina normalmente. É importante, apenas, que o tecido não seja centrifugado quando for delicado, como as cortinas rendadas. Caso esteja muito suja, basta deixá-la de molho por mais tempo. Vale lembrar que o amaciante, quando utilizado em excesso, pode ocasionar manchas.
Persianas: espanadores podem prejudicar àqueles que possuem alergia a pó. Por isso, o ideal é passar o aspirador com bocal de escova.
Cortina romana: dispõe das mesmas possibilidades que as persianas. Entretanto, não apresenta o problema de sensibilidade que as lâminas das persianas apresentam. Por isso, é possível também limpá-la com um pano seco com sabão neutro.
Blackout: por ser geralmente produzida com PVC, essa cortina pode ser limpa com esponja e sabão neutro.
Rolô: o ideal para a limpeza desse tipo de cortina é usar o aspirador com bocal de escova. Caso esteja muito sujo, o melhor é buscar por um serviço de lavagem especializada.



Compartilhe

Veja Também